visualizando 47 posts encontrados de leitores

Não ouço mais as nossas músicas – e tudo bem

Tenho evitado ouvir sertanejo. Sabe como é, né? Você mesmo disse que fazia parte da gente e tinha nos levado ao lugar em que chegamos.

Mas talvez a solução não seja evitar o sertanejo, já que eu me lembro de você quando escuto Jessie••• Continue Lendo

Ex-crush

Hoje eu perdi um crush, as folhas caíram e os alimentos apodreceram. Nada é para sempre mesmo, né? Tudo muda o tempo todo, até os crushes que a gente acha que são príncipes viram pernilongos. Bom, o tal cara se tornou um ex-crush por dois••• Continue Lendo

Onde você mora?

Ocupar lugares físicos no espaço é a coisa mais fácil que existe, assim como perceber que já faz um tempo que você deixou de viver e virou parte da mobília do seu quarto, por pura conveniência. Enxergar no escuro é uma tarefa difícil,••• Continue Lendo

Carta ao meu avô

Já que não podemos tomar um café juntos e conversar, vou escrever. 

O seu olhar aflito entre uma crise de falta de ar e outra me dizia claramente: “estou cansado.” Um dia, esta frase saiu da sua boca em um tom suave e sereno••• Continue Lendo

O amor que me perdoe

O amor que me perdoe – ele, você e este sábado. É que o cansaço já me pegou de jeito faz tempo. Cerveja? Não tem. Cigarro? Não tem. Tempo? Acabou a bateria. Mas não se preocupe, já coloquei para carregar. Agora só tomo café sem••• Continue Lendo

Já fui mal-amada – este é o meu desabafo

Eu sei, isso soa forte.

(M-A-L A-M-A-D-A)

Mas os efeitos que esta expressão traz ao meu emocional são tão complexos que nem me olhando no espelho conseguiria explicar. Fui buscar nas minhas experiências de vida o que poderia significar.

Percebi que carregar o título de mal-amada••• Continue Lendo

Cobertura de coragem

Eu cresci – e meu paladar não evoluiu comigo. Aos 23 anos, ainda gosto da bala Mentos colorida, do Tic Tac de laranja e de refri ao invés de álcool: os amargos e ardidos nunca me satisfizeram. Duas décadas nas costas não foram suficientes para••• Continue Lendo

Despedida da adolescência

Despedidas são boas porque são simbólicas. Representam um marco, pontos de restauro – assim como num computador. Só que elas não funcionam como em uma máquina. Despedidas são aniversários sem anuidade.

Se precisasse me despedir da minha adolescência, escreveria uma carta:

Amigos, mudei. Escrevo para••• Continue Lendo

Nós dois fomos infinitos

Este é definitivamente o último texto escrito diretamente a você. Os outros, muito provavelmente, só citarão casos aleatórios que aconteceram com outras pessoas e que, graças a Deus, não terão nenhum impacto direto em mim. Mas este, obviamente, não se encaixa no último••• Continue Lendo