você está lendo Blogagem Lux: As quatro melhores horas da minha vida

Oi pessoal! Esse post é especial porque fui uma das convidadas para participar da blogagem coletiva de Lux. Vocês sabem que eu super defendo essa ideia de compartilhar experiências através de textos nos blogs, né? Pois dessa vez nosso tema é diferente. Como assim? Explico.

O novo produto da marca, sabonete Lux Fragrâncias Finas, foi desenvolvido junto aos melhores perfumistas do mundo. Graças a uma combinação bem equilibrada do perfume de flores com óleos essenciais, seu aroma é capaz de agradar todos os gostos e durar por até quatro horas na pele após o banho.

Recebi os produtos da linha aqui em casa e meu preferido foi Magical Spell (essência de orquídea negra e óleo de Zimbro). Por isso, escolhi falar sobre as quatro horas mais incríveis da minha vida que além de inesquecíveis, foram mágicas.

Minhas primeiras em Paris: Depois de passar mais de 10 horas no avião, eu e mais uma amiga, que até então só conhecia pela internet, finalmente chegamos na capital da França. Como sou do interior e minha família é bem simples, nunca imaginei que conheceria outro país ou andaria de avião tão cedo. Tenho certeza que muitas pessoas naquela aeronave estavam achando todo o processo muito cansativo, mas para mim, era mesmo um sonho. Eu estava em transe. Confesso que nos primeiros minutos em terra firme, até tive medo de acordar e perceber que tudo aquilo só existia na minha imaginação. Felizmente isso não aconteceu.

Depois de enfrentar mais algumas filas, conseguimos pegar nossas malas e encontrar a sobrinha emprestada da filha de uma amiga da minha tia-avó (ufa!), que se casou com um francês e mudou para lá há algum tempo. Ela foi super simpática, apresentou seu marido e nos ajudou com as bagagens. Ele era um típico francês. Branquelo, bem alto e com rosto triangular. Não falava português, mas como não parou de sorrir por um minuto, tirei a conclusão que era um cara bem simpático. Quando olhei ao redor e vi pessoas falando uma língua totalmente diferente da minha, fiquei em choque. É uma sensação diferente. Como se eu estivesse dentro de um filme e não conseguisse colocar a opção legendado. Aos poucos fui me acostumando com a ideia de que seria assim durante os próximos cinco dias.

Chegamos até o estaciamento do aeroporto e colocamos as malas dentro do carro. Com certeza aquele foi o automóvel mais incrível que andei na vida. O teto se movia. Antes que eu percebesse, já estávamos a caminho para Paris.

As estradas da França são lindas. Tirei a conclusão que a vegetação de lá é bem mais colorida que a nossa. Talvez seja coisa da minha cabeça, afinal de contas, tudo parecia mais mágico do que realmente era naquela altura do campeonato. Por falar nisso, passamos em frente ao estádio onde o Brasil perdeu um jogo importante na copa. Essa informação veio, claro, do marido da tal parente emprestada. Durante toda a viagem, eles foram falando da cidade lu e dando dicas básicas para turistas que vão ficar alguns dias na cidade. Quero, dizer, inacreditavelmente, eu e minha amiga.

Logo que chegamos na cidade senti meu coração disparar. Como se eu estivesse apaixonada. As árvores, as casas, as pessoas, a pontinha da torre lá no horizonte… Ah, eu estava em Paris. Não queria perder nenhum detalhe. Fiquei durante o resto do caminho grudada na janela. Talvez nesse momento eles tenham me achado meio desatenta. Mas é mesmo impossível prestar atenção em outras coisas quando se está em Paris.

Estacionamos o carro na frente do hotel. Nunca tinha ficado em um hotel até então. Podem imaginar o quão feliz e empolgada eu fiquei, né? Essa coisa de ganhar um cartão para abrir a porta, alguém carregar a mala pra gente e ter uma banheira branca e enorme no banheiro. Ai, que saudade. hehe Bom, deixamos nossas coisas no quarto, e aproveitamos a presença do casal para dar uma volta a pé pela região e aprender mais algumas coisas.

O francês falava, e a mulher traduzia. Por sorte, nosso hotel ficava em um ponto incrível da cidade. Todas as lojas mais incríveis estavam a uma rua de distância e a estação de metrô era bem na esquina.

Depois do passeio, já no final da tarde, nos despedimos do casal, que já iria voltar para Versalhes, cidade onde moram com o filho. Eu e minha amiga ficamos no hotel. Lembro que cheguei e de um pulo mortal estilo Daiane dos Santos na cama. Em seguida, tomamos banho e colocamos uma roupa mais quentinha. Para não perder tempo na cidade mais incrível do mundo, fomos logo nos aventurar e conhecer a torre Eiffel. Naquele horário, iluminada e inesquecível. Essas foram, com certeza, as horas mais incríveis da minha vida.

Bom, agora que já contei as quatro horas mais incríveis da minha vida, quero que vocês façam o mesmo. Dessa vez a proposta é diferente. Para participar da brincadeira, vocês terão que ir lá na página de Lux, curtir e compartilhar o texto por lá. Quem topa participar?