vida

Conselhos de um cara que te amou

cara-que-te-amou

Há duas passagens na gaveta da sua escrivaninha. Presente meu, o último depois de tudo. A última lembrança que vou deixar com você, então fiz de tudo para que fosse inesquecível. Comprei duas passagens porque sei que você não é – ainda – do tipo de pessoa que larga tudo e encara a vida sem uma mão para dar. Por isso, convide uma pessoa que te faça sorrir. Muito. Não só para essa viagem, mas para tudo, querida. Para uma saída no sábado à noite, para curar um coração partido, para encarar um filme de terror em uma sexta-feira, quando você não tiver nada melhor para fazer. Privilegie as pessoas que te façam rir.

Mas não deixe que riam de você (o que eu sei que acontece muito). Você é maravilhosa, então muitos babacas vão tentar te fazer de idiota. Não deixe. Tome as rédeas da sua vida e encare de frente gente que acha que pode te passar para trás. Pegue as passagens em sua escrivaninha e faça delas uma entrada para uma vida nova: conheça gente interessante, mergulhe em outras culturas, peça demissão do seu emprego chato e se aventure em um mundo em que você não sabe como será o dia de amanhã. Eu adoraria ver como você se viraria em um mundo sem planos. Sei que você se sairia bem.

Arrisque-se, querida. Não tenha medo de se jogar mesmo depois de já ter quebrado tudo: principalmente, a cara e o coração. Hoje, só hoje, lembre-se de como é bom estar viva e livre e solta e saudável. E, então, viva. Do jeito mais louco que puder. Sem ligar para o que sua família vai achar. Sem pensar no que seus amigos vão dizer. Sem se importar com que os outros vão estar falando sobre você. Quem te ama, querida, te ama apesar de.

Eu sei que você consegue. Tudo. Se quiser, você consegue o mundo. Eu te conheço bem e sei que, por trás de todas as lágrimas, há uma mulher de rocha. Quando doer muito, segure sua respiração. Feche os olhos. Fique longe de todo mundo por alguns segundos. Chore até soluçar, se isso fizer as coisas melhorarem. E depois continue, querida. Que, no fundo, a vida é feita disso: continuar depois de tudo.

Me guarde no seu coração, nas suas memórias, nas suas caixas de fotos, nos seus álbuns de família e, se quiser, até em alguma parte do seu Facebook. Mas não se guarde. Não guarde seu coração. Não se prenda por tudo o que a gente foi, porque ainda há muita vida pela frente. Não se guarde por mim, porque o que eu menos iria querer na vida é que você deixasse de viver coisas por um amor que já não está. Por um amor que não vai voltar.

E viva. Apesar de tudo, apesar de qualquer coisa, independente do que acontecer. Pegue as passagens, rode o mundo, deixe doer até curar. E, quando passar, viva. Conheça um outro amor, jogue-se em uma nova paixão e mergulhe em relacionamentos diferentes do nosso. Porque essa é a maior prova de amor que eu posso lhe deixar, querida: te amar tanto (tanto!) a ponto de querer, do fundo do meu coração, que você ainda ame e seja amada. Muito…até o mundo acabar.

45+ comentários

Draw My Life

draw-my-life-brunavieira

Vocês já sabem tanto da minha vida que quando a tag “Draw My Life” fez sucesso no Youtube eu nem me animei tanto em participar. Além do mais eu continuo desenhando como uma criança de oito anos. Pois bem,  pra comemorar os 100.000 inscritos no canal do blog, resolvi aceitar o desafio e atender aos pedidos de alguns leitores. É isso aí, também contei a história da minha vida usando uma caneta e um quadro branco. Assista:

Gostou? Inscreva-se no canal do blog e veja mais vídeos.

44+ comentários

Se puder, viaje!

viajar

Viaje. Se eu pudesse lhe dar apenas um conselho na vida, seria esse: viaje. Para a cidade ao lado, um outro país, uma ilha paradisíaca, uma praia inexplorada, um point de turismo, um bairro que você nunca visitou. Viaje na história de um livro, nos seus próprios sonhos, naqueles planos que, vez em quando, você acha que nunca vai realizar. Viaje com muito dinheiro, sem um tostão no bolso, com um superguia preparado, sem saber pra onde ir, de carro, de ônibus, de avião ou de carona em uma nuvem. Apenas viaje.

Viaje porque viajar é uma das melhores coisas da vida. Porque sair da bolha em que a gente vive o dia-a-dia, te juro, é essencial. Porque sempre dá pra crescer conhecendo gente nova, outras culturas, outras ruas, outras vielas, outros sotaques, outras risadas. E é bom conhecer sonhos, planos e maneiras diferentes de viver a vida. Seja naquela rua em que você nunca foi, naquele livro sobre um outro país ou indo conhecer aquela famosa praia do Nordeste. Viaje para entender porque a gente vive falando que não há nada como voltar para casa. Sem sair, você nunca vai saber de verdade aonde quer ficar.

Acorde um dia e se torne um turista. Em sua própria cidade mesmo, enquanto não der para ir mais longe. Em seu próprio quarto, até na internet, vendo vídeos de outros lugares. Saia do óbvio, abandone um pouco suas repetições e se proponha a conhecer coisas novas. Não se limite a barra de favoritos de seu navegador. Que site novo você já conheceu hoje? Que mundo novo você quer conhecer?

Guarde os centavos, deixe de comprar aquela blusinha muito cara, economize no que puder economizar. E, um dia, abra o mapa mundi e escolha: que locais do mundo você quer ir? Não desanime porque hoje você ainda não consegue. A gente nunca sabe aonde pode chegar. Mas leve este conselho: viaje. O máximo que puder, para os lugares mais impensados, da forma que for possível a você. Se puder, viaje. Porque viajar, pode anotar, é um dos maiores investimentos da vida. E você vai me agradecer um dia.

55+ comentários

Passado acabado

texto-kah

Desculpa, parei de falar sobre você. E, automaticamente, parei de lhe dar notícias sobre a minha vida, o meu dia-a-dia e o meu coração. É que as coisas andam tão corridas por aqui que não tive tempo de olhar para trás e caçar em que canto do meu quarto você foi parar. Aliás, essa é a maior verdade que eu ainda posso falar sobre a nossa história: ela ficou ali, parada em nosso passado, como um quadro bonito que, vez em quando, gosto de observar. Mas só, querido. Só.

Escrevi muitos textos sobre você. Uma parte de mim quis que você voltasse, então sofri. Muito, mais do que achei que sofreria. Chorei por horas e me vi assistindo aqueles filmes água-com-açúcar que eu jurava que nunca iria assistir. Pior: chorei com eles. Acredita? Se não acredita, também não me importa. Essa é outra novidade que não te contei: deixei de ligar para as suas opiniões.

Talvez seja difícil para você, aí de fora, aceitar que minha vida seguiu. Afinal, passei tanto tempo remoendo o nosso romance, nos encaixando em canções românticas das minhas bandas preferidas, te vendo em cada rosto de mocinho do cinema. Minhas amigas não acreditaram quando eu contei. Minha família também não. Meu pai ainda tem dúvidas e questiona em cada almoço de domingo. Eles não entendem como fui forte e madura para esquecer você assim, tão rápido.

Mas esqueci você, se é o que está se questionando aí. Arranquei cada pedacinho de nós dois do meu coração e fui viver a minha vida, como você insistiu que eu deveria fazer. Cuidar dos meus problemas, não foi esse o conselho? Segui as instruções e te digo: gostei de onde você me levou. E é por gostar tanto que não volto, perdão. Pode ficar aí com as minhas lágrimas, as suas promessas baratas e o meu jeito inocente e bobo de acreditar em você. Deixo que desfrute o quanto quiser da menininha ingênua que você conheceu, mas aqui, agora, só há uma mulher ocupada demais para seus joguinhos de Don Juan.

Quanto a você, deixou de ser meu problema. Por isso, fique aí, bem longe, fazendo o que bem entender. Deixei de me preocupar, querido. Beije quantas quiser, iluda tantas outras mais, brinque com o coração de quem aceitar seu jogo. Seja feliz, querido. Por Deus, seja feliz sem uma louca como eu aos seus pés. Porque, contrariando a todos, eu te esqueci. Mas difícil e insuportável mesmo não foi te esquecer, foi amar você.

Por:
Categorias:
Tags:
42+ comentários