Pelo direito de não gostar de algo

lu-post

Acho ótimo como a humanidade está sempre pronta pra defender algo, ao mesmo tempo em que a ataca. Por exemplo: se eu faço um vídeo dizendo que as pessoas devem respeitar a opinião dos outros e aceitar as minorias, todo mundo concorda e acha lindo. Mas se eu admito em público que não gosto de Star Wars, de séries de TV ou de crianças, aí é um absurdo! COMO ASSIM???!?!?!1!?onze??!

Acho que primordialmente o problema está na compreensão da expressão “não gostar”. Por exemplo, se eu “não gosto” de usar bermuda, não significa que eu quero que todos que usam morram. Muito menos que os estilistas e marcas que as fabricam tenham câncer. No caso de crianças, que é o que as pessoas mais acham absurdo, se eu “não gosto” de crianças, só significa que quero uma certa distância delas. Não que eu vá chegar oferecendo pirulitos envenenados na rua!

Mas aí vem outro problema: tolerar as diferenças. Se você diz que não gosta de alguma comida, a pessoa já manda um “ah, mas o que a minha mãe faz você vai adorar!”. Se você não gosta de algum filme, “é porque não viu os extras”. Se, como eu, não gosta de séries, “é porque você ainda não viu a série certa!” — Se você tiver cinco minutos pra eu te explicar por que eu não gosto de séries, beleza. Mas mesmo depois disso, você ainda vai dizer que estou errada.

Agora serei ousada pra dizer: sair disso pra dizer que os homossexuais e ateus estão errados é apenas um pulo. A gente fala tanto por aí que quer um mundo mais justo, mais humano… e lá estamos nós dizendo que a pessoa que não curte o Mestre Yoda está errada. É aquela velha história sobre o machismo (e não estou nem aí se me chamarem de feminista chata nos comentários, porque sei que não sou): não adianta ter a lei Maria da Penha se na televisão temos um humor que degrada as mulheres. Mesmo que sejam só as mais feias, as promíscuas, as desconhecidas. É a mensagem do “isso aqui tudo bem, aquilo lá é outra coisa”. Não é!

Obviamente ser um mega-fã de algo não deve te tornar um nazista (até onde eu sei…), mas pra que tanta dificuldade em aceitar que aquilo que você ama não faz nem cócegas nos outros? É uma coisa especial pra você, mantenha esse tesourinho. E lembre-se de todas as vezes em que você falou que não gostava de algo e alguém veio tentar te convencer do contrário. É muito chato. Sério. E o pior é que nem afeta a vida da outra pessoa!!! (Ao contrário de, vejam só!, os nazistas! Que, por não gostarem de judeus, saíram matando todos os que encontraram)

Eu não assistir Star Wars não te impede de ter bonequinhos Storm Troopers no seu quarto. Eu não gostar de séries não desabilita seus canais favoritos na TV à cabo. E muito menos eu desgostar de crianças vai te tornar infértil e todos a sua volta. Sigo a minha vida aqui, e você segue a sua aí. E nos encontramos no meio pra, quem sabe, assistir a outro filme?

105 Comentários
Bem me quer, mal me quer

Não existem corações jovens imunes as armadilhas do amor e da vontade imensa que se tem de sentir. Não adianta, qualquer um se apaixonou, está apaixonado ou vai se apaixonar por alguém que não vale o sentimento, que não corresponde ou que está “emocionalmente indisponível”. Basta se conformar. Nessas horas a gente recorre até a livro de autoajuda. Mas desamar é tarefa pra mais de uma noite e que, inevitavelmente, derrama algumas lágrimas. Mesmo assim, não custa ajudar os corações necessitados, não é mesmo? Então resolvi fazer uma listinha de coisas para ajudar a evitar se envolver com quem não merece e a esquecer quem não te quer.

1- Aceite e produza

Acredite, você não é a primeira e, muito menos, a ultima pessoa a sofrer por amor. É a coisa mais normal do mundo e é preciso tirar bom proveito dessas situações. Meus melhores textos são fruto de um amor que não deu certo, de uma ligação que nunca aconteceu e de um abraço mal dado. O próprio blog veio de um “fora” que a nossa queridíssima Bru levou, para nossa alegria (aliás, valeu otário, chore com o que você perdeu). Sofrer por amor é como fazer exercício físico, fortalece, só que o coração. Aceite isso e viva em paz com o seu “não felizes-para-sempre”.

2- Evite o tipo “Somebody Love”

“Somebody Love” é aquele tipo de pessoa que fala muito e faz pouco, todo mundo conhece um. Você ouve aquela historinha “você é especial” ou “você é pra namorar”, ouve mil promessas e elogios e depois, puft, a pessoa some ou parte pra outra sem nem ter começado algo com você. Às vezes nem rola a ficada, só o papo que já foi bom o bastante para você gamar. Falou que você é especial mas não te procura para sair, fuja!

3- Se ame, se baste!

Essa é velha mas é a que mais funciona. Um dia disseram pra sua vó “você merece coisa melhor” e um dia você dirá isso para sua filha, porque com o tempo você descobre que amor próprio e uma pitada de egoismo evita muita rímel borrado. Entenda, antes de te desejarem, você tem que se desejar. Antes de gostarem da sua companhia, você tem que gostar de estar consigo, então não há nada de errado em estar sozinha. Se baste, assista um filme de comédia na sua sala bem quieta, dê uma volta no parque ao som de “Put Your Records On” bem alto. Não há problema em esquecer o mundo para lembrar de você.

4- Tire um dia para essa dor

Se fazer de forte é muito bom, fingir que está tudo bem também, mas tem hora que não conseguimos, todos precisamos de um dia pra parar, sentar e chorar, pensar, sentir aquela dor. É como uma pedra no sapato. Você não para de caminhar, mesmo com ela ali incomodando, mas uma hora você precisa parar e tirar aquela pedra, senão o estrago pode ser muito maior. Às vezes a gente precisa descarregar, esvaziar e simplesmente deixar sair tudo que está nos chateando, então não há nada de errado em se deixar levar e chorar. Chore, chore, chore e chore, depois tome um banho, respire fundo e encare o mundo.

5- Se divirta com os errados

Enquanto o cara certo não vem, não há problema algum em se divertir com alguns com alguns idiotas. Aprender com o mestre a trabalhar o desapego.

6- Conte com as amigas

Amigas são psicologo sem diploma, são anjos da guarda que nos pentelham e não há uma noite com as amigas que não nos arranque uma gargalhada. Vale tanto uma noite do pijama, com drama e comédia romântica, pipoca, bolo de caneca e fofocas, a uma super balada, música e flertes, com elas vale tudo, pode tudo!

47 Comentários
Como conquistar um cara!

casal

Primeiramente, devo dizer que essas são as minhas opiniões acerca dos pontos que serão mencionados. Não podemos generalizar nada aqui dito. Não me responsabilizo pelo uso indevido das informações! hehe

Acho que a palavra conquistar deve ser usada somente pra quando o interesse vai além de ficar. Porque senão eu diria seduzir, ou qualquer coisa assim. Então vamos supor que vocês já têm uma convivência, e que você não quer apenas ficar com o menino porque acha ele “bonitinho”.

Vamos também partir do princípio que você não deve fazer nada que não lhe convenha somente pra agradar a pessoa, porque no decorrer do relacionamento isso vai ficar mais difícil de suportar e fingir! Portanto não tente mostrar uma coisa que você não é, se você realmente quiser uma coisa verdadeira com o outro.

Vamos lá então! Tente estar mais perto dele, seja na escola, sentando do lado dele ou em qualquer outro lugar onde convivam, estando sempre por perto. Isso vai proporcionar situações em que vocês vão, inevitavelmente, ter mais contato.

Seja atenciosa, saiba o que ele te falou ontem, anteontem… Assim você vai mostrar que não está próxima somente para mostrar que está, por algum interesse, sei lá. Mas que você, na verdade, quer algo além de simplesmente estar do lado, que você quer algo além da amizade.

Seja simpática! Outro dia ouvi que quando mulher trata com muita simpatia, é porque tem interesse. É verdade meninas? Seja espontânea! Meninas espontâneas transmitem sinceridade. Eu, particularmente, gosto de sinceridade mesmo em situações onde ela é inconveniente. Quando ele olhar pra você, retribua olhando “de leve”, mas fixamente. Acredite, isso faz a gente pensar em muita coisa.

O cabelo de vocês,  como sabemos, também exerce um fascínio em todos nós, homens. E isso você deve usar a seu favor sempre que puder, sempre o deixando em evidência.

Bem, se não deu, se ele não tomou uma atitude, ele pode realmente não ter interesse, ou pode ser tímido. Ele pode ter medo da sua reação se você não foi explícita o suficiente ao demonstrar seu interesse, ou mesmo se foi, ele pode não acreditar que uma menina assim esteja realmente interessada nele. Então, nesse caso, acho que você deve falar com ele sobre o que sente, o que imagina e o que quer. Pode funcionar!

Ps: Oi Meninas, sou Ícaro Almeida, o garoto que escreveu o texto “A mulher ideal pra ele“. Como vocês pediram, agora sou o mais novo colaborador do Depois Dos Quinze e postarei semanalmente sobre comportamento. Sintam-se sempre à vontade pra deixar sugestões de assuntos nos comentários. Aliás, por falar em comentários, muito obrigado por todos os elogios feitos no último texto publicado. Será um prazer enorme escrever pra vocês. 

118 Comentários
Página 1 de 212