Saudade no Divã

Saudade é um sentimento ingrato e controverso, semelhante à satisfação feminina: nunca é plenamente feliz.

Ora temos e lamentamos, ora não temos e desabamos em hipóteses fantasiadas de abandono e solidão.

Saudade não tem procedentes, muito menos casa. Fica largada à sorte em meio a acontecimentos que rezamos para se tornarem inesquecíveis , e acaba por ficar transitando sem saber seu lugar de origem.

É também inconveniente e dispensa avisos de chegada; Leiga como é, apega-se até ao que nunca viu ou sequer teve.

Depois de tudo, estranho mesmo é perceber que nada tem a ver saudade com distância. Afinal, quantas vezes já nos pegamos cheios de intuições e vontades de alguém que está a pouco mais de vinte passos de nós? Não há compreensão ou argumento plausível que justifique as reflexões e as batidas aceleradas quando acontece. Sendo assim, ao primeiro impulso, pegue o telefone ou saia de casa; Mande cartas, grite alto e corra ao encontro daquilo que causou o lapso.

Faça de uma dorzinha irremediável algo grandioso ao final do seu dia.

Por:
Categorias:
Tags:
21 comentários