Aqui dentro de mim

15 de junho de 2017
você está lendo Aqui dentro de mim
Foto:

Foto: Reprodução/Katie Mccurdy

Quando você me olha, não vê apenas a minha feição, seja ela qual for naquele momento. Não é só o frizz do meu cabelo saltando, as roupas de acordo com o dia e o tempo frio lá de fora ou toda essa personagem externa que faz parte do seu cenário no momento em que a gente fala:

– Oi! Tudo bem?
– Tudo certo! E com você?

Ah, não! É porque simplesmente não dá para colocar em palavras todas as ideias que moram em minha mente. Aliás, se eu o fizesse, pareceria uma doida, não é? Nem eu mesma gosto quando começam a contar um monte de coisas pessoais que não têm nada a ver com o assunto…

“Se não é sobre isso, o que é, então?” Você vai perguntar. E eu respondo, prontamente, que não se trata de externalizar o que sinto por dentro. Só queria mesmo falar um pouco sobre o mundo que mora em mim. E aqui, neste espaço, eu posso contar. Vou deixar tudo no ar, como os inúmeros assuntos que ficam circulando a nossa vida como ondas invisíveis. Ou você nunca parou para pensar qual era o sinal de WiFi que estava passando do seu lado naquele exato momento? 

Comigo é mais ou menos assim: as coisas ficam soltas… e vupt! Logo são capturadas pela minha mente, como se fossem uma criatura virtual de Pókemon Go! Na hora em que a gente se encontra, não sou a fulana da calça jeans azul e camiseta branca falando sobre as últimas notícias da política.

Sou aquela que, por trás do sorriso, pensa na receita incrível com Nutella que precisa fazer um dia, na ideia da foto que deseja tirar mais tarde, no livro que leu ontem antes de dormir, no romance que vai sair do cinema na próxima semana, na vontade de tentar bordar, na ânsia de viajar para o Chile e conhecer de perto aquelas montanhas cheias de neve e na sugestão que martela a cabeça o tempo inteiro, falando sozinha: “e se eu tentar fazer isso de uma forma diferente?”.

Sou terreno fértil – por aqui florescem coisas e coisas.

Sou fonte inesgotável de um pouco de tudo e, em mim, se encontram todas as vontades e anseios de quem extrai cada gotinha de cor do planeta para pintar uma bela obra. Não, nem sei pintar ou desenhar! É por isso que, às vezes, faço artes que não saem tão de acordo com o planejado, mas, dentro de mim, sempre nasce algo novo, bom e potente.