Diálogo das incertezas

29 de outubro de 2016
você está lendo Diálogo das incertezas
sera

Foto: Reprodução/Pinterest

— Mas qual é o seu medo, menina?

— Ah, eu não diria que é um medo, assim, no sentido completo da palavra, como quem olha para os lados e só enxerga isso, sabe? É mais um receio, um frio na barriga – que até me deixa dormir, mas não muito bem… E, de repente, isso me veio agora e tornou as coisas um pouco difíceis.

— Pelo que entendi, então é sobre ansiedade? Estou achando que você teme o futuro, é isso?

— Não! Na realidade, acho que é um pouco de medo do passado.

— Como assim? Você se arrepende de algo que fez?

— Não me arrependo, mas não tenho certeza se fiz as escolhas certas ou se ainda as farei. Você me entende? A vida não é tipo um teste de múltipla escolha que, após assinalar as respostas, dali a um mês a gente recebe o resultado. O pior: antes disso, nem dá para estudar direitinho pra cada matéria e garantir o nosso melhor desempenho em todos os itens. A gente só vai e faz. Depois, esperamos pelo gabarito, enquanto continuamos a fazer mais e mais… É tipo um teste infinito, que nem sempre nos dá respostas.

— Sim. Eu nunca tinha parado para pensar nisso, mas é verdade. É assim mesmo e acontece com todo mundo.

— E o que me assombra são as respostas que gostaria de ter e não tenho. Porque me sinto como se dependesse delas para seguir em frente. Bem como uma questão: como é que vou fazer a número 8 quando terminei a 7 sem saber se entendi direitinho todos os conceitos e se fiz a escolha certa para mim?

— Mas é normal, todo mundo é suscetível a erros e não há mal nenhum nisso. Acho que você tem que parar de se condenar!

— Eu não me condeno, mas gostaria de receber um sinal do destino de que estou no caminho certo. Que tudo não foi em vão, que deixei para trás o que precisava ser deixado, que a via que peguei era a certa para mim. Mas tudo o que vejo são respostas em branco.

— Olha, é assim comigo também, te juro. Mas a única diferença é que me permito ver estas respostas até onde elas não existem. Simplesmente vou até elas e escancaro uma porta enorme de positividade para tudo o que fiz: porque se fiz, já está feito – e dei o meu melhor naquele momento. Quando não é para dar certo, acredite, as respostas negativas são as primeiras que chegam. E aí me coloco novamente nos trilhos e me preparo para tomar novas decisões. Só que para aquelas cuja resposta demora a chegar, me permito interpretar que são boas.

— Como?

— Eu acredito que nada é em vão. Se a gente fez uma escolha, foi porque nosso coração mandou que fosse assim, e, naquele momento, por maior que fosse a indecisão, o caminho não poderia ser outro. No exato instante em que dou o primeiro passo, largo para trás as outras vias nas quais poderia ter andado: elas simplesmente não existem mais. Dali pra frente, é só a certeza que me acompanha – e me permito enxergar os outros elementos como reforçadores do que fiz.

Silêncio.

— Eu acho que, desta forma, você só está se reconfortando…

— De maneira alguma! Você nunca ouviu falar que o segredo de tudo está na confiança? Pois então. Em alguns casos, sei que vou aprender, crescer e lidar com o que fiz – tomando cuidado para não fazer novamente. Mas jamais deixarei o desgosto tomar conta após uma decisão que tomei.

— Agora acho que entendi. Isso soa um pouquinho como coragem. Desse jeito, você não dá espaço para arrependimentos, sim? Porque, enquanto você falava, eu fiquei pensando aqui e percebi que, na verdade, o meu receio vem mais do temor de me lamentar no futuro.

— É bem por aí! Não existe esse tal do “não devia”, não dá para deixar o pesar tomar conta do passado. Ele já foi.

— Pensando desta forma, eu realmente fico mais tranquila.

— Faz mais sentido, não é? Quando tudo vale a pena, não sobra espaço para as incertezas.