Com ou sem preguiça

10 de março de 2016
você está lendo Com ou sem preguiça
sem-preguica

Foto: Making Pictures

Eu sei.

Tem dias que bate aquela preguiça. Preguiça de algumas pessoas. Dos mesmos papos, do mesmo jeito quadrado de pensar, da forma com que temos que explicar tudo de novo (e de novo e de novo) até que elas parem de reproduzir as mesmas falas sem sentido, que não levarão nada nem ninguém a lugar algum. Nem elas mesmas. Será que percebem? Não. É por isso que nossos esforços se esgotam e simplesmente paramos de ligar. Deixamos elas pra lá e, ah, encará-las novamente? Ai, que preguiça…

Preguiça de tentar explicar, de ouvir mais uma vez a resposta incoerente de quem nem ao menos se esforçou pra te escutar. Preguiça de ter que gastar tempo e paciência com uma causa que não se sustenta mais, com alguém que não se interessa e que não faz a menor questão de se interessar.

Mas existe outra situação, em que a preguiça simplesmente não se justifica. Se a preguiça é de uma situação, ou de fazer alguma coisa, dessa vez vou ter que discordar de você.

Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima: você simplesmente tem que fazer.

Quando a gente adia o momento, não estamos ganhando tempo – muito pelo contrário – nós o perdemos. Não é meio chato quando (mesmo que seja necessário, em questões de aprendizado e maturidade emocional) a gente se esforça muito por alguma coisa e no final ela não dá certo? Também é igualmente ruim quando tudo está indo bem e você simplesmente para. Nesse caso, um aprendizado pela metade não vale muito. Só existirá um ganho significativo se você tiver muita, muita sorte.

Nesse momento, jogue fora as desculpas que cercam a preguiça. Sem essa de dizer que é culpa do tempo, da falta de jeito, da vergonha ou mesmo do despreparo, do sono, da amizade (ou da falta dela)…

Pense em você bem na frente de seu principal sonho. Como se ele estivesse a uma distância mínima. Imaginou? Se o necessário fosse apenas um passo e um degrau para chegar até ele, haveria preguiça? Você ficaria na cama, deitada? É claro que não. Num piscar de olhos, o cenário ganharia um novo fôlego.

Agora transfira esta mesma situação para o seu foco de inércia. Parece ser bem diferente, eu sei, mas, se você não mediria esforços para conquistar o seu sonho no primeiro caso, peço apenas que tenha esta mesma disposição com o segundo. Respire, concentre-se, entenda que é essencial que aquilo que precisa ser feito, seja feito por você.

Um segredo: é isso que te levará até onde deseja chegar. Mesmo que demore, mesmo que você passe por outros muitos dias iguais a este.

Esta é a sua história, sua vida e seu caminho. Tudo que existe está aí, para você, esperando a sua participação pra funcionar. Você tem que se levantar e ir lutar.