Despedida da adolescência

postado por Leitores do blog
17 de setembro de 2018
Foto: Flickr/Ravi Nadha

Foto: Flickr/Ravi Nadha

Despedidas são boas porque são simbólicas. Representam um marco, pontos de restauro – assim como num computador. Só que elas não funcionam como em uma máquina. Despedidas são aniversários sem anuidade.

Se precisasse me despedir da minha adolescência, escreveria uma carta:

Amigos, mudei. Escrevo para contar as novidades, mas não para esclarecê-las. Quero tirar de mim o sonho que toda noite vem fazer cobranças. Lembro de vocês, um por vez, e lá estou ao seu lado, ouvindo seu discurso passado. Talvez vocês também tenham mudado, e nem de “amigo” sei se posso lhes chamar. Já não há telefonemas ou convites no portão de casa. Não culpem a internet – nós já nos estragamos antes.

Aprendi que existem mais caminhos do que gente no mundo, aí simplesmente parei de acreditar numa única possibilidade (se é que isso aconteceu). Além da ânsia, senti prazer. Além da insegurança, aprendi a confiar um pouco mais em mim. Isso não quer dizer que acredito ser superior, apenas estou melhor para mim… e talvez melhor para os outros. Não quero fazer nenhuma propaganda de “algo” que mudou radicalmente a vida.

Não me arrependo, sabe. Se não fosse a guitarra elétrica, o pseudo-anarquismo, a escrita e o desejo de mudança inconformado, não teria sido eu. Hoje, eu bem que poderia ser alguém que se enoja de tudo o que é contrário ao esquema perfeccionista da estética e da lógica.

Acontece que assumo que me arrumo mais – mas o cabelo e a tatuagem não me tornam menos profunda. Acontece que me cuido mais – mas a água e o tapetinho de yoga não constroem verdadeiramente a alma. Acontece que eu posso escrever “alma” sem me preocupar com o quanto isso soará conectado a uma crença de existência divina. Acontece que eu posso dizer “não” e “sim”, sem necessariamente precisar me explicar ou analisar.

A adolescência foi tormenta de brigas com os pais, queridos pais, hoje mais amigos do que qualquer amigo que já acreditei ter. Entretanto, o confronto me construiu crítica: foi depois, quando deixei a minha cidade natal, que comecei a crescer.

Custou a entender, mas me compus nova. Espero que vocês ainda estejam se compondo, pois é uma grande tristeza ver as pessoas nas mesmas vidas quando estão na mesma reclamação – e talvez por isso nunca mudem.

Hoje tenho tantos invernos, mas ainda me esqueço da idade quando perguntam. Às vezes eu tenho 12 e vou jogar no computador; às vezes tenho 16 e penso no sentido da vida; às vezes tenho 18 e o futuro próximo ainda está incerto; às vezes eu tenho 15 e simplesmente não me importo.

Talvez o nosso maior erro tenha sido acreditar que éramos diferentes, uma alternativa à dada realidade, quando apenas repetíamos os estereótipos dos quais não gostávamos. Os amores, inclusive, nunca foram amores intensos, mas eram cheios de ansiedade – e representavam o teatro de nossos conflitos individuais.

Quando encontro alguém com menos de 17 anos, vez ou outra, bate à memória um momento da adolescência, dos ensaios das bandas ruins, de matar aula, de debater questões sobre o infinito desejando suas resoluções numa única noite.

A primeira década do século está fervendo, e nós não precisamos morrer de desgosto. É preciso insistir.

 

Por Patrícia Leardine, 29 anos, Cerquilho (SP).
Quer ver seu texto no DDQ? Nos envie um e-mail!

posts favoritos
novidades

Despedida da adolescência

Despedidas são boas porque são simbólicas. Representam um marco, pontos de restauro – assim como num computador. Só que elas não funcionam como em uma máquina. Despedidas são aniversários sem anuidade.

Se precisasse me despedir da minha adolescência, escreveria uma carta:

Amigos, mudei. Escrevo para••• Continue Lendo

Os tweets que reforçam ainda mais o signo de quem os escreveu

Qual é o seu signo? Por aqui somos uma taurina, uma geminiana e uma aquariana e estamos sempre conversando sobre o assunto! Foi assim que percebemos o tanto que os influenciadores que seguimos nas redes sociais muitas vezes são a personificação perfeita de seus••• Continue Lendo

Resenha: o que veio na nossa caixinha de assinatura UAUBox?

Já faz um tempo que falamos por aqui sobre caixinhas de beleza por assinatura, lembram? Foi nessa época que conhecemos a Uau Box, um serviço que citamos no post e que ainda estava em desenvolvimento. Agora a Uau já foi lançada••• Continue Lendo

Nós dois fomos infinitos

Este é definitivamente o último texto escrito diretamente a você. Os outros, muito provavelmente, só citarão casos aleatórios que aconteceram com outras pessoas e que, graças a Deus, não terão nenhum impacto direto em mim. Mas este, obviamente, não se encaixa no último••• Continue Lendo

Os filmes que mais queremos ver nos cinemas em setembro

Todo mundo está comentando o tanto que agosto passou rápido! E não é verdade? O oitavo mês do ano sempre parece se arrastar muito, mas, dessa vez, foi como um raio. E a gente acha ótimo: setembro está aí e, com ele, vários filmes muito legais••• Continue Lendo

Nossa coleção de capinhas personalizadas com a GoCase!

Em 2018, o Depois Dos Quinze completa 10 anos. Às vezes parece que passou rápido demais e, em alguns momentos, olhando pra trás, vemos admiradas o tanto que já percorremos juntas – mesmo: não só nós da equipe, mas também você que está lendo••• Continue Lendo

Mais cinco tatuadores incríveis para seguir agora mesmo no Instagram

Se tem um assunto que a gente ama e não se cansa, com certeza é tatuagem! Por aqui, nós temos várias – e estamos sempre de olho em tatuadores brasileiros para fazermos novas, indicarmos para as amigas ou até mesmo só para seguir••• Continue Lendo

Loja da quinzena: as galochas da Kesttou

Ah, como a gente ama trazer dicas incríveis de lojas legais para você seguir, se inspirar e, é claro, comprar seus produtos favoritos! :) A loja da vez é bem legal: estamos falando da Kesttou, marca de galochas que tem como lema o conforto, a••• Continue Lendo

Por que fiquei viciada em viajar sozinha?

Quando adolescente, eu morria de medo de quase tudo que estava fora minha da zona de conforto. Mesmo assim, aos 15 anos, embarquei sozinha para o exterior pela primeira vez. 20 dias na Califórnia no meio do semestre escolar. Podia ser um sonho, né?••• Continue Lendo